E a noite vem [...]

Essa noite sonhei com você. Estava um pouco de barulho, você olhando pra mim com aquela cara de "fuinha", e eu, como sempre, fazendo cara de pensativa com a mão no queixo. Você olhava firmemente nos meus olhos, dizia que não queria ter feito aquilo, e que sabe que foi a pior escolha de sua vida. Por um momento - ainda no sonho - dei um sorrisinho com cara de "Ah, tá! Conta outra!", e você dizia "É verdade, acredita em mim, eu não queria, eu não queria. Agi por mero impulso, que droga!". Então acordei, foi repentino, foi um devaneio em tanto, mas que droga - digo eu, agora, fora do sonho.

O problema foi você achar que tudo aconteceria tão rápido. O problema foi você pensar que a vida - para nós - seria "apertada demais", mas meu amor (sem ironia alguma), não é assim, você nem esperou para aprender. A vida a dois não é ter que ficar 24 horas juntos, não é assim. A vida a dois é, nada mais nada menos que, viver não só para o outro, mas também para si mesmo. 

É andar de mãos dadas e se sentir seguro(a). Dar um beijo na testa e não querer nada em troca, nem mesmo outro beijo na testa. 

Ah, príncipe. Você tirou a coroa, colocou uma espécie de "Caixa de papelão" na cabeça, e está saindo por aí, fingindo que tudo está á mil maravilhas, mas não, sabemos que não está.

Estava tudo bem, tirando indas e vindas, que não só o relacionamento trás, mas que a vida trás, sozinho ou acompanhado elas hão de vir. Esquece essa de achar que estar com alguém te faz menos "amigo da vida". Eu amo a sua família, nunca vou deixar de amá-los. Pessoas boas, de bom coração, de sabedoria plena, que invade á alma com alegria. Queria poder nunca ter saído/sair dela, queria permanecer pra sempre, assim como você na minha.

Queria chegar à noite, te esperar lá fora, para que pudéssemos descer de mãos dadas. E quando a dúvida na matéria viesse, eu te perguntaria sem medo.

Não adianta dizer que tudo tem que ser como se nada tivesse acontecido, esquece essa, não dá.

Hoje não consegui te olhar nos olhos, e isso doeu tanto, pois há 2 semanas atrás, numa segunda-feira normal, era um "Oi, tudo bem? Ai, tô cansada(o) :/" acompanhado de um abraço apertado.

Não foi falta de atenção, e muito menos cobranças, você sabe que não. A única razão foi sua insegurança, e seu agir por impulso, que ainda farão você se arrepender dessa escolha.

Eu estou sentindo muito a sua falta, estou sim, à cada minuto. E não me diga que foi um "você se apegou demais à mim". Não sei se sente minha falta. Falta de um "Bom dia, amorzinho.", "Bom dia, príncipe", das risadas, dos passeios, do estudo juntos, de tudo, de tudo o que fazíamos.

Se você ainda não conseguiu sentir falta de nada disso, calma, uma hora isso vai chegar, e você não vai ter escolha. A falta aperta no coração, a falta vai fazendo você refletir no quanto precisa da pessoa ali, ao lado, mesmo com as dificuldades que encontram por aí, você precisa dela, porque ela - querendo ou não - faz parte de você, da sua história, do seu futuro que no agora você diz não querer. Mas meu amor, não existe futuro sem o presente. Mas se você quer que eu vá, eu vou, só que não volto mais, e vai ser assim, esquece o "Caramba, o que eu fiz?" que pode ter no futuro, você não sabe! E essas, são minhas últimas palavras quanto à isso. Porque o presente é agora, e eu estou aqui, mas o futuro, ah... O futuro está tão distante. E nessa imensa distância, posso ter mudado de caminho, naquela bifurcação. Sabe?! 

"Ow, ow, ow, ow, ow."..."O que?"... Bom, o resto você já sabe.

Share this:

JOIN CONVERSATION

    Blogger Comment

0 Comentários:

Postar um comentário